Ética Filosófica

EM PRIMEIRA PESSOA Elementos de Ética Geral: Preço exclusivamente para compra no site

  • Autor(es): VENDEMIATI Aldo;
  • Ano: 2012
  • ISBN: 978-85-61837-60-0
  • Edição: I Edição Brasileira
  • Páginas: 240
  • Sumário: Download
R$ 24,90

Sinopse

EM PRIMEIRA PESSOA, Elementos de Ética Geral


De R$ 29,90 por apenas 24,90 + Frete



Estes Elementos de ética geral publicados sob o título Em Primeira Pessoa chegaram há poucos anos à terceira edição: isto testemunha, de um lado, o interesse do público pelas questões éticas e, de outro, a exigência de uma transmissão de conteúdos que seja simultaneamente ágil, compreensível e completa.


O texto nasceu da atividade da "cátedra" de Filosofia Moral da Pontifícia Universidade Urbaniana, em Roma. Fui chamado, há alguns anos, a ministrar o curso de Ética Geral; notei a necessidade de indicar aos estudantes um "manual" que respeitasse duas condições: devia ser adequado às exigências deles e coerente com o "patrimônio filosófico perenemente válido" que constitui o ponto de referência constante da nossa atividade.


Se não faltavam textos que refletissem a segunda condição (o leitor encontrará um elenco ?mínimo? deles ao término desse volume), todavia não encontrei igual consonância com a primeira. Os nossos estudantes, de fato, são portadores de culturas e formações muito diversas entre eles: alguns têm sobre os ombros estudos de marca "ocidental"; outros, ao invés, provêm de horizontes Toto caelo [totalmente] diversos. Jovem professor de filosofia, eu tinha pensado que o meu primeiro dever fosse aquele de estudar estas diversas culturas para "encarnar" o meu ensinamento na vida dos estudantes... Mas eles provêm de todos os cinco continentes, de mais de cem Países diversos e - como se sabe - em um País podem estar presentes culturas e várias tradições: de onde começar, então?


Evidentemente a estrada devia ser outra: a opção fenomenológica. Não partir das teorias (mesmo que fossem as importantíssimas teorias éticas elaboradas durante o longo caminho da história do pensamento filosófico), não parar nas culturas (mesmo reconhecendo com admiração as suas riquezas), mas ir atrás, às coisas mesmas e concentrar-se sobre a experiência moral própria de todo ser humano, para fazer emergir dela os princípios morais que possam guiá-la. O desafio é aquele de descrever o humanum em termos compreensíveis a todas as pessoas.


Assim fazendo, percebi que poderia oferecer um serviço também a outros Institutos Filosóficos e Teológicos nos quais começa a manifestar-se a dimensão multiétnica e multicultural da nossa sociedade "globalizada" (ou "mundializada", como eu preferiria dizer).


De outro lado, tais Institutos, se até a algumas décadas eram frequentados por estudantes que tinham às costas uma formação "clássica", de tipo acadêmico, hoje acolhem numerosos alunos provenientes das escolas mais diversas, privadas de um mínimo de instrução histórico-filosófica, e todavia bem motivados a aprender: este texto foi pensado para ser útil tanto a uns quanto aos outros.


Estas considerações me levaram a dar à exposição um caráter maiêutico. O tom do livro é fortemente discursivo, dialogante: considero que esta seja a estrada melhor não só para um texto de base, mas para a abordagem filosófica tout-court. Pretendi coenvolver o leitor num tipo de diálogo socrático, para fazer emergir aquele ?mínimo-de-filosofia? que cada um traz em si, refletindo sobre a própria experiência, para chegar a dar consciência crítica aos próprios pensamentos sem erradicá-los do mundo da vida. Este texto aspira, assim, inserir-se com toda humildade, na mais que milenária tradição que, de Sócrates a Kierkegaard, de Santo Agostinho a Gabriel Marcel, colocou-se ao serviço do homem concreto para pô-lo em contato com a verdade que habita no íntimo do seu próprio coração.


Por isto procurei pôr em relevo quase que a cada página os envolvimentos existenciais da pesquisa filosófico moral: sou, de fato, intimamente persuadido a crer que a Filosofia seja sapientia vitae e que, exatamente por isto, possa e deva ser cultivada com amor.


Tudo isto é intrinsecamente conexo à impostação da filosofia moral como "ética da primeira pessoa", evidenciada desde o título do presente volume e explicitada, nesta edição, do Excursus 2. Tal opção me parece justificada, em primeira instância, não tanto pela fidelidade a uma tradição (aquela da filosofia clássica e medieval, mas também das impostações contemporâneas que redescobrem a virtude, a phronesis, a práxis e o ethos como coordenadas essenciais da Ética), quanto da exigência própria do discurso moral, da sua essência. E isto traz consequências não só teoréticas (no sentido da ciência moral que é teórico-prática), mas existenciais, pedagógicas, didáticas e sociais.


A articulação da matéria é funcional à abordagem apenas exposta. O capítulo I constitui uma "apresentação" da disciplina, dos seus fins e do seu método: aqui se situam as intervenções mais significativas desta terceira edição, referentes à relação entre Filosofia, Cultura e Tradições.


No capítulo II se procede a um exame fenomenológico da experiência moral direcionada a colher os seus elementos constitutivos. O capítulo III prossegue com um estudo do comportamento voluntário, evidenciando a estrutura do agir humano. No capítulo IV vem apresentado o tema central da vida boa: a virtude; à exposição dos seus traços gerais seguirá um aprofundamento de cada virtude cardeal: os capítulos V, VI, VII e VIII são dedicados respectivamente à sabedoria, à justiça, à fortaleza e à temperança.


Somente a este ponto, no capítulo IX, a discussão tomará um tom mais ?teórico?, sem porém abandonar o enraizamento na experiência, dedicando-se à determinação do "fundamento" da moralidade, em diálogo com o pensamento contemporâneo.


O capítulo X apresentará a essência e a função da lei moral, com particular referência à lei natural. Enfim, no capítulo XI, examinar-se-á a dinâmica e o papel da consciência na moralidade. Também o "estilo" expositivo, o fato que o "eu" do Autor se exponha tão evidentemente e evoque repetidamente o "tu" do Leitor, interpele-o com perguntas, provoque-o a reagir, é a direta consequência desta opção pela "primeira pessoa", que resultará justificada, espera-se, do conjunto do texto.


O objetivo que pretendi perseguir é aquele da clareza e da essencialidade, conjugando ao mesmo tempo as exigências de completude à qual um curso de graduação deve ater-se. Talvez teria sido mais fácil utilizar uma linguagem sofisticada, para "profissionais", mas eu me encontraria a falar aos colegas antes que aos estudantes. Certamente, usando um tom crítico, próprio dos iniciados, teria podido evitar melhor as objeções, mas teria traído a minha consciência profissional (e humana, em última análise). Preferi pôr em risco o meu pensamento, sem simulações.


Talvez com um número duplo de páginas o livro teria se apresentado "mais importante" e - paradoxalmente - teria empregado menos tempo a escrevê-lo. Preferi submeter-me à fadiga da síntese, ao trabalho ingrato dos ?cortes? e das "limadas", para pôr nas mãos dos estudantes um instrumento ágil e realmente utilizável, porém, sem renunciar ao rigor da argumentação, da cientificidade e da completude. Obviamente, compete ao leitor julgar se e em que medida eu tenha obtido sucesso no meu propósito.


Permanece intacta a minha gratidão por todos aqueles que contribuíram à publicação destes Elementos, desde a primeira edição: os colegas, pelos suas preciosas sugestões (um agradecimento especial aos professores Guido Mazzotta e Lorella Congiunti), a Urbaniana University Press na pessoa do professor Leonardo Sileo, as autoridades acadêmicas da Universidade Urbaniana e os estudantes, graças aos quais pude "pôr a prova" os termos aqui expostos, compreendendo sempre mais profundamente a necessidade de ancorar a reflexão moral no "mundo da vida".



Roma, 1º de janeiro de 2008



Editora Vivens


O conhecimento a serviço da Vida!


RUA SEBASTIÃO ALVES, N. 232-B,


JARDIM PARIS III,


CEP: 87083-450,


MARINGÁ - PARANÁ - BRASIL,


Fone: (44) 3046-4667 / 9904-4231,


Mais Itens