Liturgia

Entrarei no Altar de Deus: Cerimonial da Sagrada Liturgia: Volume I: Cerimonial para a Santa Missa e Liturgia das Horas

  • Autor(es): PAGIOSSI SILVA Michel ;
  • Ano: 2013
  • ISBN: 978-85-61837-79-2
  • Edição: I Edição
  • Páginas: 374
R$ 49,00

Sinopse

De 69,00 por apenas R$ 49,00 + Frete:




Introibo ad altare dei!

O livro que agora vai ser editado, sai num momento particularmente significativo da vida da Igreja: estamos em pleno Ano da Fé, comemorámos a abertura do II Concílio do Vaticano e o Sínodo dos Bispos em torno da Nova Evangelização terminou há pouco tempo. Há, pois, razões de sobra para afirmar que o livro de Michel Pagiossi da Silva nasce em tempo oportuno. Bem haja Michel por esta dádiva em que, tenho a certeza, para a sua elaboração, o Espírito Santo teve a sua quota parte!
Li este magnífico Manual de Liturgia com verdadeira sofreguidão! Não só porque a sua escrita é perfeita e escorreita, como pelo modo extremamente pedagógico como está apresentado. Além disso, o autor, um jovem e promissor autor!, teve a preocupação da exigência que o tema merece, documentando-se apoiado nas fontes autênticas. Só este aspecto deve ser relevado, perante tantas e tão díspares opiniões de quem só se preocupa em apresentar-se como vedeta, num campo em que se tem de deixar o horizonte aberto e livre para a única fonte credível: a Igreja, que o Magistério publica.
Da leitura deste notável trabalho percebe-se a preocupação do autor em, não só ser absolutamente fiel à Santa Madre Igreja, como, também sublinhar o lado estético, reflexo da Beleza incriada que é Deus. Na realidade, a celebração dos Sacramentos tem de ser e manifestar a majestade de Deus na simplicidade da Verdade.
Permita-me o Michel que vos narre uma pequena, mas verdadeira e muito significativa, estória. Ela ilustra de forma muito prática e concreta o que acabei de referir.
Cumpri o meu serviço militar obrigatório, na Marinha de Guerra de Portugal, como Oficial, jovem acabado de me licenciar na Universidade de Lisboa e em Maio de 1970 embarquei para a Guiné-Bissau, onde permaneci dois anos. Durante este tempo de serviço contactei e colaborei com os missionários franciscanos que serviam uma leprosaria (Cumura, não muito longe de Bissau). O Superior, posteriormente, primeiro Bispo deste território, P. Septímio Ferrazzeta, num dia de Maio de 1970, à noite, depois de termos rezado Completas com o povo e a comunidade franciscana, e a propósito daquela hora canónica ter terminado com a Antífona pascal ?Regina coeli?, em latim e gregoriano, que os frades mantinham, apesar de toda a liturgia já ser em português, contou-me o episódio que me atrevo a partilhar com os leitores. Anos antes, quando a liturgia se revestia de pompa e com uma certa complexidade a que o latim emprestava o seu quê de mistérico, num dia 15 de Agosto, solenidade da Assunção de Nossa Senhora, o P. Septímio, no átrio da Capela, falava com o carpinteiro da Missão sobre qualquer assunto relativo ao seu ofício. A páginas tantas, tocou o sino a chamar para a Missa. O nosso franciscano, informou o carpinteiro de que teriam de retomar a conversa a seguir à Missa. Este, não sendo cristão, perguntou se podia assistir. Obviamente que o P. Septímio anuiu ao pedido. Durante a celebração demorada e em língua que não entendia, o carpinteiro esteve encostado ao fundo da Capela e extremamente atento. Quando se reencontraram, como combinado para acabar a conversa, no final da Missa, o carpinteiro, perante o ar atónito do missionário disse-lhe: ?Padre, não sei o que fez lá em cima, mas senti que o que fez é verdade. Não quero morrer sem ser baptizado?. Perante esta determinação convicta e este desejo tão explícito, o P. Septímio informou-o que seria baptizado, mas que teria de se preparar antes. Passa-se um tempo e uma noite, batem à porta da residência dos frades franciscanos. O Superior levantou-se e foi à porta. Era um mensageiro que o informava da doença grave do carpinteiro e da vontade que este tinha de, com urgência, ver o P.Septímio. Este logo se preparou e se dirigiu para o pobre casebre onde, no chão, estava, de facto moribundo, o carpinteiro. Quando viu chegar o missionário, os seus olhos brilharam de alegria e com a voz frágil recordou ao Padre o episódio de 15 de Agosto e da vontade de não morrer sem ser baptizado e sem dar tempo disse: ?Padre, baptize-me porque vou morrer!?. Sem delongas e atendendo ao estado do carpinteiro, o missionário administrou-lhe o Sacramento pedido. No exacto momento em que terminou a fórmula do Sacramento, o carpinteiro expirou!
O episódio, verdadeiro, que acabo de referir ilustra bem que a Liturgia não é espectáculo ruidoso e em que o celebrante é vedeta. O livro que o leitor, em boa hora, tem entre mãos, é para saborear e ver como o Senhor é bom? A Liturgia tem de ser Verdade na Beleza, transparente e cristalina acção onde o Senhor Jesus é o centro e o cume. Michel Pagiossi da Silva não sei se sabe o quanto este livro é importante no sentido de ser um excelente guia de celebrações que deixem, através dos homens que acreditam, ver Deus. Foi assim que a carpinteiro da Cumura sentiu Deus e o ?agarrou? com convicção e determinação. No seu muito célebre ?O Pequeno Príncipe?, Saint-Exupery escreve que o importante só é visível com os olhos do coração. É assim a Liturgia. E é por isso que todo o acto litúrgico se deve revestir de dignidade e do rigor que as Normas aprovadas recomendam/exigem para maior honra e glória de Deus e em que o celebrante é um mero e especial e privilegiado agente, nunca se esquecendo de que é o Senhor, Sumo e Eterno Sacerdote, quem preside e se manifesta.
Faço ardentes votos para que este livro seja um sucesso entre brasileiros e outros luso-falantes e que o autor continue a sua obra magnífica de colaboração na Nova Evangelização, aproveitando os seus imensos talentos que, como os leitores constatarão, se manifestam neste livro.

Dr. Carlos Aguiar Gomes
Cavaleiro de Santa Maria
Provincial da Militia Sanctae Mariae de Portugal

Editora Vivens


O conhecimento a serviço da Vida!


RUA SEBASTIÃO ALVES, N. 232-B,


JARDIM PARIS III,


CEP: 87083-450,


MARINGÁ - PARANÁ - BRASIL,


Fone: (44) 3046-4667 / 9904-4231,



Mais Itens