Gestão do Conhecimento

GESTÃO DO CONHECIMENTO E GESTÃO ESCOLAR: CONTRIBUIÇÕES DA INCLUSÃO DIGITAL PARA O CURRÍCULO

  • Autor(es): GRANDE Rosângela Aparecida ;
  • Ano: 2016
  • ISBN: 978-85-92670-15-3
  • Edição: 1
  • Páginas: 142
  • Sumário: Download
Gratuito

Sinopse

Chamada por alguns pensadores de sociedade tecnológica, por outros, sociedade do conhecimento ou ainda, de sociedade da aprendizagem, o que se sabe é que a sociedade atual se caracteriza pela rapidez e abrangência de informações. O fato é que as situações do cotidiano demandam o uso de novas tecnologias, o que provoca transformações na nossa maneira de interagir com as pessoas, objetos e o mundo ao nosso redor.
Nesse contexto, estas mudanças tecnológicas, culturais e científicas não possibilitam prever quais serão os conhecimentos necessários para inserir-se no mundo do trabalho daqui a alguns anos. O desafio atual da educação é formar efetivamente indivíduos para exercer com responsabilidade a sua cidadania para serem contínuos aprendizes, autônomos na busca pela produção de conhecimentos a fim de que resolvam problemas da vida e do trabalho e estejam conscientes da importância de aprender a aprender, em qualquer momento da vida.
A escola, lugar por excelência da prática social, não pode estar distanciada dos demais sistemas sociais. Desse modo, é impossível pensar a realidade escolar desconectada dos avanços tecnológicos presentes na sociedade, o que implica em flexibilidade do currículo formal, sustentado por uma visão de maior amplitude e integração entre conhecimentos sistematizados aceitos socialmente e outros que emergem no contexto social, por meio de diferentes linguagens de comunicação que fazem parte da cultura.
Ainda que sejam conceitos inter-relacionados, currículo e ensino não são sinônimos, no entanto, o currículo abrange a disseminação de conhecimentos socialmente válidos e resultantes de uma seleção organizada intencionalmente cujo objetivo vem a ser o alcance de determinados resultados pelo aluno. Sendo assim, a educação voltada à construção de uma sociedade justa e igualitária, que respeite as diferenças e os diferentes, pressupõe a promoção dos direitos dos alunos às ciências, às artes, à cultura, às tecnologias de comunicação e informação, às múltiplas linguagens de expressão e comunicação constituintes dos sistemas simbólicos de uma sociedade.
Na sociedade do conhecimento, a apropriação desse saber culturalmente construído não é tarefa fácil, a prova disso são as crises vivenciadas pelos sistemas educacionais. Nesse sentido, o valor do conhecimento deveria estar arraigado com a relevância dos processos de aprendizagem, uma vez que são instrumentos para a gestão desse conhecimento. O indivíduo que não se apropria dos múltiplos e variados arquétipos de ?representação simbólica socialmente construída? (POZO, 2002, p. 40), numéricas, artísticas, cientificas, gráficas, entre outras, está economicamente, socialmente e culturalmente empobrecido.
É oportuno ressaltar que uma das vertentes da gestão do conhecimento é o elemento humano, as pessoas, suas capacidades intelectual, emocional e social cujo foco está na criação do ambiente que favoreça a comunicação, a confiança e as condições necessárias à produção do conhecimento. Assim, a Gestão Escolar tem como foco a efetividade interativa de todas as áreas de ação, visando à formação adequada dos alunos. É a partir da gestão dessas variáveis que poderão ser determinadas metas e objetivos institucionais com vistas a potencializar e institucionalizar as inovações necessárias dentro do ambiente escolar.
Dentro desta ótica, a gestão do conhecimento enquanto ferramenta de suporte à gestão escolar contribui fortemente para identificar os problemas, as origens e as possíveis soluções com vistas a alcançar metas e objetivos institucionais necessários para que os processos de ensino e de aprendizagem sejam efetivados adequadamente.
Assim, procuramos fundamentar no decorrer desta pesquisa que a inserção das TIC ao currículo constitui-se como valioso instrumento para fomentar nos alunos competências de construção e gestão do conhecimento, pois, além da disseminação de conhecimentos pontuais e efetivos, contribui para a nova cultura do processo de ensino e de aprendizagem. Esse processo requer do professor a busca de diferentes áreas do currículo, a aquisição, interpretação, análise, compreensão, comunicação da informação e apropriação de diferentes formas de aprender para preparar o aluno ao enfrentamento das tarefas que os esperam na sociedade do conhecimento.
Estas mudanças tecnológicas, culturais e científicas não permitem prever quais serão os conhecimentos necessários para inserir-se no mundo do trabalho daqui a alguns anos. Deste modo, o desafio atual da educação é formar efetivamente alunos críticos, contínuos aprendizes, autônomos na busca pela produção de conhecimentos para resolver problemas da vida e do trabalho, conscientes da importância de aprender a aprender em qualquer momento da vida (DELORS, 2005).
Diante deste cenário, de que maneira a Gestão do Conhecimento poderia contribuir para enfrentar esta problemática? A Gestão do Conhecimento disponibiliza um arcabouço de ferramentas que poderão dar suporte para a institucionalização dos ajustes necessários no processo de inserção das Tecnologias da Informação e Comunicação (TIC) em seus âmbitos administrativo e pedagógico. E também pode contribuir significativamente para os processos de transformação da escola em espaços de articulação e produção de conhecimentos compartilhados.
Cabe destacar o papel do gestor escolar na consolidação da política curricular da escola, pois é por intermédio desse profissional que as mudanças necessárias para melhoria na qualidade do ensino são efetivadas.
Esta pesquisa limitou-se ao âmbito da gestão do conhecimento como promotora de boas práticas de gestão escolar e as contribuições para a inserção das TIC ao currículo enquanto instrumento para a melhoria da qualidade da Educação Básica, especialmente nos quintos anos, final do primeiro ciclo, ofertado pelo município de Londrina - PR.
Para alcançar o objetivo, este trabalho foi dividido em cinco capítulos. No primeiro capítulo apresentamos o problema da pesquisa, o objeto de estudo foi colocado na forma de pergunta de pesquisa, objetivo geral, específicos, justificativa e delimitação de estudo.
No segundo capítulo, abordamos o conceito de conhecimento sob a ótica da filosofia, uma vez que a especificidade desta ? a filosofia ? é por excelência provocar no indivíduo um novo olhar sobre o objeto de estudo. Apresentamos o contexto em que a Gestão do Conhecimento foi delineada, as suas variáveis e a relevância enquanto ferramenta potencializadora de boas práticas nas organizações, ou seja, evidenciamos a importância da gestão da informação, abordamos os elos de sustentação e os preceitos da gestão do conhecimento. Ressaltamos que já é uma temática consolidada porque a informação e o conhecimento são fenômenos indissociáveis e complementares na vida organizacional.
No terceiro capítulo, abordamos as especificidades e a dinâmica da gestão democrática ao propor que toda a comunidade escolar seja mobilizada, principalmente os professores, na construção da proposta pedagógica e consolidação das ações efetivas visando uma educação de qualidade.
Em seguida, no quarto capítulo investigamos os desafios, enfrentamentos e possibilidades para a construção de um currículo com perspectivas emancipatórias no cotidiano escolar. Assim, pressupomos construir um referencial que ajude a escola a olhar dialeticamente o seu contexto, valorizando o professor e o aluno, tendo como base conceitos e referências utilizadas para estruturar as experiências educativas, culturais compostas no currículo. Para tanto, o professor torna-se a figura chave no processo de implementação do currículo, explora-se a sua dimensão cultural e imaginária, oferecendo oportunidades para a construção e reconstrução de representações mais apropriadas a um novo significado e papel a ser desempenhado por ele no domínio do currículo.
No quinto capitulo, propomos uma breve reflexão sobre os programas de governo no fomento às tecnologias da informação e comunicação (TIC) nas escolas públicas e os desafios das escolas no processo de inserção no currículo escolar. É imprescindível que os responsáveis pelo processo ensino aprendizagem dos alunos e comunidade escolar se organizem para que essas mudanças ocorram de uma forma dinâmica.
A escola tradicional, ao apresentar os resultados do desempenho e o rendimento dos educandos, tem se mostrado ineficiente, sendo assim, é imprescindível uma mudança na forma de aprender e ensinar para que o aprendizado seja eficiente e inclusivo. Deste modo, de que maneira a Gestão do Conhecimento, por meio das práticas do gestor escolar, contribui no processo de inserção das TIC no currículo do ensino municipal ? quinto ano ? na cidade de Londrina - PR?
Analisar de que maneira a Gestão do conhecimento, por meio das práticas do gestor escolar, pode contribuir para o uso efetivo dos recursos tecnológicos de informação e comunicação no processo ensino aprendizagem no ensino fundamental I do Município de Londrina.
?
OBJETIVOS:

- Identificar os fatores que potencializam a integração educativa das TIC na perspectiva dos gestores e professores.
- Analisar os índices de utilização das TIC apresentados pelos gestores e professores.
- Compreender como se configura a gestão do conhecimento para a efetiva integração das tecnologias como recurso didático nas escolas investigadas.

Recordando o vivido no passado e refletindo sobre seu significado no presente, percebemos que no período de atuação na coordenação e direção na Educação Básica, no estado do Mato Grosso, entre 2003 e 2013, refletimos e buscamos pela compreensão de como seria possível a escola gerir as contribuições das tecnologias digitais com suas potencialidades em construir, atualizar, processar, compartilhar e divulgar conhecimento.
A educação está distante dos desafios do mundo contemporâneo e quando a criança de hoje ingressar no mercado de trabalho, ela necessitará fazer uso das tecnologias e a escola não oferece essa possibilidade de aprendizado. Observamos que alguns alunos interagem com as tecnologias e aprendem de maneira diferente, demostram gostar menos ainda da escola porque acham que aprendem melhor com o auxílio das tecnologias de informação e de comunicação do que com a mediação do professor. O fato é que novas maneiras de alfabetização e letramento estão entrando em cena e a escola não está acompanhando essas mudanças.
Tendo em mente esse panorama, ocorre a necessidade da busca pela compreensão dos processos de gestão do conhecimento nas organizações educacionais, nessa nova sociedade de informação farta e acessível. Torna-se indispensável reconhecer que a instituição escolar é por excelência um espaço político, enquanto instituição produtora e potencializadora de vínculos sociais e como espaço fundamental de aprendizado, de ações profundamente comprometidas com a criatividade, a curiosidade é o contexto social dos educandos.
Diante do exposto, fica evidente que nenhum Projeto Pedagógico sairá do papel se não for adequado às experiências pedagógicas significativas de cada um dos alunos, ou seja, nenhum Projeto Pedagógico será concretizado na prática da sala de aula sem, antes, adequar-se à realidade vivenciada pelo aluno.
Nesse sentido, vale lembrar as palavras de Perrenoud (2002, p. 130): ?mais que ensinar, trata-se de fazer aprender [...] se concentrando na criação, na gestão e na regulação das situações de aprendizagem?. Isso evidencia a necessidade de a escola pensar o conhecimento como algo que cada indivíduo constrói, como produto do processamento, da interpretação e da compreensão da informação.
Assim, entendemos que a qualidade da educação está intrinsicamente ligada com as novas formas de aprender e aos novos espaços instrucionais que respondam as demandas do atual contexto. Dessa forma, os conhecimentos a que nos propomos abstrair no processo de construção dessa pesquisa, em gestão do conhecimento, nas organizações educacionais servirá de fomento à prática, contribuindo com o desafio de atualizar o currículo da escola.
Diante do exposto, esperamos contribuir para o processo de inserção das TIC no currículo do ensino fundamental I, tendo como foco a gestão do conhecimento, promotora de práticas de gestão escolar que deverá ser articulada entre as áreas administrativa, pedagógica e informacional para que escolas se organizem e façam uso das TIC, explorando as possibilidades variadas das atividades do cotidiano escolar.
Por fim e não menos importante, os diversos programas de governo que fomentam a adoção de tecnologias digitais nas escolas públicas, ao investir em aquisição de laboratórios e equipamentos diversos e em programa de formação continuada, presencial e a distância, de professores para a educação básica (PARFOR) serão aproveitados mais satisfatoriamente ao beneficiar a melhoria da qualidade do ensino básico.

Mais Itens