Ética Filosófica

ÉTICA E FILOSOFIA POLÍTICA: Ceticismo em Movimento

  • Autor(es): Célia Machado Benvenho et al.;
  • Ano: 2016
  • ISBN: 978-85-92670-20-7
  • Edição: 1
  • Páginas: 232
  • Sumário: Download
Gratuito

Sinopse

Este livro resultou das conferências proferidas durante as Jornadas de Ética & Filosofia Política e Metafísica & Conhecimento, que realizaram em 2016 a sua 9ª edição. O evento conjugado teve como principal característica reunir especialistas de diferentes regiões do Brasil que pesquisem determinado assunto, autor ou problema. A cada ano, um docente do Programa de Mestrado e Doutorado em Filosofia organiza o evento como forma de propiciar, a cada nova edição, a discussão de diferentes temas filosóficos relacionados a ambas as Linhas de Pesquisa como uma forma de articulação de diferentes grupos de pesquisa em atividade (Ética e Filosofia Política: Gilmar Henrique da Conceição; Metafísica e Conhecimento: Wilson Antonio Frezzatti Jr. e Stefano Busellato).
Por sua vez, anualmente, o colegiado do curso de graduação em filosofia designa um professor como coordenador da Semana Acadêmica (José Francisco de Assis Dias). As edições anteriores reuniram pesquisadores de diversos Estados brasileiros e até mesmo alguns do exterior. Nessa oportunidade, os especialistas puderam debater sobre temas bastante pontuais.
Para 2016, visando, pois, a promover o debate em torno da questão da fundamentação do ceticismo, a Jornada em Ética e Filosofia Política almejou estudar o legado cético, em particular a leitura de Sexto Empírico feita por Montaigne, principal divulgador do ceticismo no início da Idade Moderna. Recorre-se a argumentos que levam à incerteza sobre a apreensão de um conhecimento verdadeiro. O procedimento de Montaigne é o de opor a toda razão uma razão igual, objetivando negar o Dogmatismo e estabelecer a dúvida radical em relação às doutrinas que afirmam ter a verdade. Como base da sua crítica, recorre à tradição cética antiga, advinda de Pirro, e de modo particular às Hipotiposes Pirrônicas. O estudo dos Ensaios constitui uma fonte inesgotável de problemas. A apropriação e inovação montaigniana do ceticismo é um deles.
O ceticismo é uma forma de pensar que nos livraria das amarras de uma racionalidade comprometida em revelar um conhecimento indubitável. Mas, como isso aparece nos Ensaios? Por que a diaphonia, até agora, na história do pensamento tem se revelado invencível?
Na realidade, em torno do ceticismo, os textos desta obra apontam três pensadores que de alguma forma se articulam: Santo Agostinho que passou pelo ceticismo acadêmico e foi lido pelo pirrônico Montaigne. Este, por sua vez, foi lido por Nietzsche, quando ganhou de presente um exemplar dos Essais.
O tema da Jornada em Metafísica e Conhecimento é ?Zaratustra: Arte e Vida?. De certa maneira, é sequência do tema da II Jornada (2009): ?Zaratustra: Filosofia e Vida?. A jornada deste ano debateu com pesquisadores, pós-graduandos, graduandos e professores de filosofia do Ensino Médio a relação entre filosofia, arte e vida, partindo do eixo teórico do filósofo alemão Friedrich Nietzsche, no qual a filosofia é expressão de modos de vida.
Diferentes modos de vida produzem diferentes filosofias, ou seja, uma determinada filosofia expressa uma determinada experiência. Esse tema, além da importância de apresentar uma perspectiva acerca da própria filosofia, é relevante para os trabalhos de pesquisa que vêm sendo desenvolvidos no Doutorado, Mestrado e Graduação da UNIOESTE.
Os organizadores desta obra têm a grata satisfação de apresentar textos de estudiosos de dois autores tão importantes para o pensamento filosófico como é o caso de Montaigne e de Nietzsche. Por questões de ordem metodológica, os textos estão sendo publicados em dois livros, conforme a proposta das duas Jornadas.
Boa leitura a todos.

Gilmar Henrique da Conceição
Wilson Antonio Frezzatti Jr.

Mais Itens