Educação

OFICINAS DIDÁTICAS DE FILOSOFIA DA UNIOESTE

  • Autor(es): BRAGGIO Ana Karine ; CABRAL Michelle Silvestre ; WELTER Nelsi Kistemacher;
  • Ano: 2019
  • ISBN: 978-85-92670-89-4
  • Edição: 1
  • Páginas: 172
  • Sumário: Download
Gratuito

Sinopse

Este livro é continuidade dos seis volumes dos livros PIBID na Escola: oficinas didáticas de filosofia, publicados desde 2016 pelo curso de Licenciatura em Filosofia, com o propósito de trazer ao público-leitor oficinas que abordam temas filosóficos de modo criativo, contribuindo com a formação dos estudantes e fornecendo aos professores materiais didático-pedagógicos a serem utilizados em suas aulas. Lamentavelmente, nesta edição, não utilizaremos o nome que deu origem aos seis primeiros volumes, já que o ?PIBID na Escola? não é mais uma realidade no que se refere ao curso de Licenciatura em Filosofia.
Em 2018 perdemos, assim como ocorreu com outras licenciaturas, o Programa Institucional de Bolsas de Iniciação à Docência (PIBID), que em seu último ano estava beneficiando mais de 40 acadêmicos de filosofia na UNIOESTE. Desde 2013 o PIBID Filosofia incentivava a formação docente, proporcionando a vivência dos estudantes nas escolas públicas de educação básica e melhorando a prática pedagógica. Com seu perecimento, aliado às novas políticas que caminham na contramão do desenvolvimento educacional, a evasão acadêmica está aumentando, colocando em risco muitos cursos de Licenciatura, principalmente a Filosofia que está constantemente sob ataque. Vale destacar que a lei 12.415 de 2017, alterou a Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional (LDB) e retirou seu caráter disciplinar.
Assim, esta publicação representa nossa luta pela insistência da Filosofia nas escolas, mesmo sem o PIBID estamos resistindo. As oficinas aqui apresentadas são resultantes das disciplinas de Estágio Supervisionado, que se interligaram com a terceira edição do projeto de extensão Universidade, Escola e Cidadania: oficinas didáticas de filosofia nas escolas públicas de Toledo e região. As oficinas foram elaboradas durante a disciplina de estágio, programadas para acontecer nas escolas após a etapa das regências (que são individuais), oportunizando aos(as) acadêmicos(as) que se preparam para a docência o desenvolvimento do trabalho em grupo e o contato com outras escolas (diferentes daquela onde foi realizada a regência) e outras realidades escolares.
Com imenso orgulho podemos confirmar que todos(as) os(as) acadêmicos(as) da Licenciatura em Filosofia participam do Projeto de Extensão Universidade, Escola e Cidadania. Também é importante destacar que os(as) professores(as) da Licenciatura em Filosofia da UNIOESTE têm sido imprescindíveis para a realização desta atividade formativa, bem como têm uma atuação destacada no Estágio Supervisionado, não medindo esforços no acompanhamento, desenvolvimento, orientação, sugestão de materiais e metodologias aos alunos, além do acompanhamento destas atividades de perto, no ?chão da escola?.
O material aqui apresentado é resultado de um longo processo de planejamento, preparação de materiais, leituras, produção de roteiros das oficinas, ensaios prévios no âmbito universitário, avaliações e readequações. Estando então bem estruturadas, tais oficinas foram levadas ao público de destino. Diversas escolas da rede pública de Toledo as receberam. Após a execução, novas análises foram feitas, garantindo qualidade e eficiência didática. Além de apoiar a formação docente, garantindo a vivência na docência e valorizar e aperfeiçoar a formação das licenciaturas, este projeto visa elevar a qualidade da educação básica das escolas públicas, apresentando aos professores da rede um material didático alternativo para (re)pensarem suas aulas enquanto um espaço para as experiências filosóficas. A fim de apresentar o trabalho que tem sido desenvolvido na Unioeste desde 2011 e que passou a se consolidar como projeto de extensão a partir de 2016, desenvolvemos nesta edição o Capítulo 1, Universidade, Escola e Cidadania: integrando escola e universidade através do ensino, pesquisa e extensão.
As oficinas são organizadas em quatro momentos didáticos de acordo com a metodologia apresentada na Diretriz Curricular Estadual (DCE) de Filosofia: mobilização/sensibilização, problematização, investigação e criação de conceitos/conceituação. Cada capítulo inicia com dados gerais da oficina: resumo, palavras-chave, sugestão de público e número de participantes, duração, objetivos e recursos didáticos. No segundo momento apresenta-se a fundamentação teórica utilizada, posteriormente temos a descrição de cada uma das quatro etapas de desenvolvimento da oficina e a indicação dos resultados esperados. Além disso, todos os materiais utilizados, como fragmentos textuais (utilizar excertos filosóficos é uma das exigências que fazemos para a confecção e execução das oficinas) e atividades entregues aos participantes, encontram-se em anexo ao final dos capítulos.
O segundo capítulo é composto pela oficina Podem as máquinas pensar?: uma investigação acerca da inteligência artificial, que apresenta uma reflexão filosófica baseada nos estudos de Alan Turing, acerca da possibilidade de máquinas realizarem tarefas inteligentes. Esta oficina utiliza fragmentos filosóficos, cenas de filmes e uma dinâmica em forma de jogo que instiga os participantes a (re)pensarem nas consequências da existência de inteligência artificial.
O capítulo III apresenta a oficina Filosofia para crianças: o essencial é invisível aos olhos, que demonstra a possibilidade de trabalhar a metodologia de Matthew Lipman para qualquer idade, inclusive para adolescentes do ensino médio. Além disso, também testa a eficiência desta metodologia para trabalhar com temas complexos, como Arte, Estética e o Belo.
A oficina A superação do preconceito a partir da sensibilidade e alteridade em Emmanuel Levinas é o quarto capítulo deste livro e traz à tona uma temática fundamental: o preconceito. A sensibilização se faz presente em todas as etapas da oficina, na medida em que recorre a estratégias didáticas diversas, desde o uso de vídeos sobre racismo a dinâmicas com doces e exercício reflexivo sobre alteridade e rosto, conceitos abordados à partir de Emmanuel Levinas. Esta oficina também se utilizou de excertos filosóficos do autor.
No Capítulo V encontra-se a oficina Os princípios e limites da ética: dilemas morais, a qual apresenta a teoria ética utilitarista de Jeremy Bentham e a teoria ética de princípios de Immanuel Kant através da utilização de dilemas morais que conduzem os participantes a se posicionarem sobre a temática e refletirem sobre sua conduta ética. Assim como as outras oficinas, esta também utiliza excertos de ambos os filósofos citados.
A quinta oficina apresentada neste livro está no Capítulo VI, se chama O que é a Felicidade? Uma perspectiva Epicurista. Esta conduz os alunos a refletirem sobre o conceito de Felicidade empregado na sociedade de consumo, levando-os a conhecerem a teoria do filósofo Epicuro, que demonstra que a felicidade não está nas coisas em si.
A última, mas não menos importante, é a oficina A experiência do Soberano, o Estado e suas obrigações segundo Hobbes e transporta os participantes a vivenciarem o Estado de Natureza, conduzindo-os a pensarem na necessidade de desenvolver um pacto social e eleger um soberano. Nesta oficina é explorada a obra Leviatã de Hobbes.
Na medida em que o material ora exposto é o resultado de um trabalho que envolve a formação docente e que está em constante aperfeiçoamento, esperamos que o(a) leitor(a) aproveite o material, analise-o, critique, melhore e reinvente as oficinas. Boa leitura!

Mais Itens